Fale com Suporte
voltar
Compartilhar:
Indústria 4.0 e internet das coisas: inovação nos processos e análise de dados

Indústria 4.0 e internet das coisas: inovação nos processos e análise de dados


Wi-Fi, GPS, smartphone, Business Inteligence (BI), Big Data Analytics e armazenamento em nuvem. Esses são apenas alguns dentre os diversos conceitos integrantes do Internet of Things (IoT) (ou Internet das Coisas), fenômeno digital responsável pela próxima revolução industrial: a indústria 4.0.

Esse avanço histórico acontece à medida que novos recursos tecnológicos são criados e aprimorados, impactando desde as linhas de produção até a forma como os produtos finais são consumidos.

No entanto, a consolidação definitiva da indústria 4.0 ainda não aconteceu. Por isso, há muito o que ser visto pela frente. De qualquer forma, executivos e cientistas já se demonstram bastante otimistas diante das atuais conquistas.

Quer entender o que representa essa revolução industrial na produção industrial? As suas vantagens e o que já é destaque na atualidade? Então, continue a leitura!

O que é indústria 4.0

O fenômeno pode ser explicado como o resultado de diversos avanços tecnológicos comercialmente inseridos nas últimas duas décadas. Em suma, a quarta revolução industrial (indústria 4.0) estabelece novas possibilidades de produção em massa, sem a necessidade da supervisão ou atuação ativa humana na cadeia produtiva.

Isso somente foi possível por meio de uma nova ideia recentemente apresentada ao mundo: o Cyber-Physical System (CPS). Esse sistema é capaz de monitorar, avaliar os índices produtivos, tomar decisões estratégicas e executá-las autonomamente.

Assim, sob essa nova perspectiva, mecanismos virtualizados funcionam e interagem-se como pessoas, com o bônus de serem mais rápidos na identificação e correção de problemas industrial e comerciais, como queda de estoques, interrompimento inesperado de máquinas operacionais etc.

Impacto na produção industrial e comercial

As consequências da indústria 4.0 estão sendo, gradativamente, sentidas nas grandes empresas pelo mundo, que recentemente decidiram integrar o Sistema Ciber-Físico (Cyber-Physical System, CPS) na produção industrial ou comercial.

A nível comparativo, diferentemente dos resultados antes obtidos com a incorporação de máquinas e computadores capazes tão somente de realizar tarefas mecânicas (indústria 3.0), os resultados presentes e as perspectivas de futuro são exponencialmente mais satisfatórias sob o viés produtivo.

Isso porque sistemas e dispositivos eletrônicos integrados já estão sendo desenvolvidos e lançados ao mercado para que, em um futuro muito próximo, cada item inserido na linha de produção consiga ser milimetricamente mapeado, monitorado e adequado aos padrões esperados.

Dessa forma, a qualidade e a precisão técnica dos produtos que chegam ao consumidor final são levadas a patamares até então inimagináveis.

Vantagens da indústria 4.0

A implantação dos CPS confere uma gama de benefícios, tanto ao cenário industrial quanto aos demais segmentos. Afinal, o cruzamento de dados corporativos via IoT amplia as possibilidades de resolução de problemas de forma mais ágil, eficaz e segura.

Entenda em detalhes as principais vantagens da Indústria 4.0 logo abaixo.

Modularidade (descentralização) dos processos

A criação de módulos de produção flexíveis é o grande desafio de programadores e cientistas desde o início da indústria 3.0. No entanto, as suas aplicações já vêm sendo testadas em todo o mundo, como ocorre na Universidade de Tecnologia de Massachussets.

Espera-se que a modularidade de processos, quando efetivamente finalizada e implantada, permita que as cadeias de produção sejam fiscalizadas e moldadas de acordo com as exigências de cada comprador.

Em outras palavras, as máquinas — integradas a esses sistemas — serão capazes de seguir padronizações diversificadas, sem que essa adequação implique maiores gastos de tempo, energia e logística na produção.

A pretensão final é de que tais mecanismos de acoplamento e desacoplamento possam ser executados de modo automático, sem intervenção humana.

Controle em tempo real

Na indústria 4.0, a Internet é o principal canal de transmissão e atualização dos dados gerenciais. A tendência de seu armazenamento escalonável será, cada vez mais, por meio do uso do cloud computing.

Dessa forma, à medida que novos dados gerenciais qualitativo e quantitativo nas companhias são gerados e armazenados pelos próprios CPS’s, diretores e gestores são munidos de um controle mais amplo, constante e eficiente na produção e venda.

Nesse sentido, análises preditivas com base nos dados corporativos constantemente atualizados por softwares inteligentes, por exemplo, são uma realidade no cenário corporativo de hoje. Por isso, o uso da automação já se tornou uma grande aliada na tomada de decisões estratégicas e táticas sobre o futuro das empresas.

O que antes demandava considerável tempo dos colaboradores para a atualização e análise de dados, agora, a tecnologia consegue neutralizar esses gastos. Em consequência, diante da obtenção de respostas gerenciais mais ágeis e precisas, os resultados corporativos são elevados.

Operações integradas

A sincronicidade dos dispositivos eletrônicos e sistemas é outro fator que viabiliza o desenvolvimento da gestão corporativa do futuro. No entanto, essas operações extrapolam a seara interna das empresas.

Isso porque, na indústria 4.0, a agilidade e eficiência da produção engloba a conexão 24 horas de variáveis e elementos externos indispensáveis para a obtenção de melhores resultados.

Hoje, alguns sistemas já permitem que seja feito o monitoramento sobre a quantidade de determinado item disponível no estoque (sincronização interna). Com base nesses dados, os sistemas empresariais comunicam-se com seus fornecedores para definir as melhores possibilidades de acordos (preços, prazos etc) para a aquisição de insumos (sincronização externa).

Essa integração diminui o tempo e o investimento na adequação dos interesses das empresas diante de cada realidade empresarial circundante, que deve ser atentamente avaliada. 

Agilidade na tomada de decisões

A Inteligência Artificial (AI), como mais um conceito integrante da indústria 4.0, impulsiona a descentralização da tomada de decisões, sem trazer prejuízos ou riscos para as empresas.

Afinal, alguns programas computacionais, além de realizarem o cruzamento de dados corporativos complexos, são codificados para a elaboração de relatórios gerenciais e de alternativas estratégicas nunca antes pensadas pela direção. 

Dessa forma, problemas corporativos, como longas horas de reuniões, falta de embasamento informacional e incertezas na tomada de decisões, são minimizados a partir da implantação desses sistemas, que trabalham como verdadeiros colaboradores nas companhias, sem gastos atrelados à admissão de quadro de pessoal.

Portanto, a indústria 4.0 está aos poucos tomando força no cenário mundial. Por meio da implantação do CPS e softwares de gestão, diretores e gestores já percebem os impactos e vantagens desse avanço na produtividade e lucratividade de seus negócios.

Achou interessante este artigo sobre a indústria 4.0? Quer se manter atualizado sobre tecnologias voltadas para o cenário empresarial? Então, siga-nos nas nossas redes sociais. Estamos no Facebook e LinkedIn.

e-book-guia-de-kpis

Artigos relevantes

Escalabilidade dos negócios com SENSR.IT: crescendo sem barreiras

Escalabilidade dos negócios com SENSR.IT: crescendo sem barreiras


A capacidade de expandir operações, aumentar a produção e satisfazer uma demanda crescente de forma eficaz, é essencial para a…

Leia mais
Como a Análise Preditiva está moldando o futuro dos negócios

Como a Análise Preditiva está moldando o futuro dos negócios


Você já se perguntou como algumas empresas parecem sempre estar à frente do mercado, antecipando tendências e necessidades dos consumidores…

Leia mais
Marilena Cancelier é a nova CRO do Grupo Toccato

Marilena Cancelier é a nova CRO do Grupo Toccato


Executiva assume liderança das áreas de geração de receita, impulsionando a estratégia de crescimento da empresa. São Paulo, 15 de fevereiro…

Leia mais

Calcule a sua maturidade em dados